sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

The farce inside truths

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

coraçãodepapel

 

Minh’alma se encontra abatida
Meu coração esta destruído
Toda minha esperança fora consumida
O ser, que antes fui, pensei ser
Já não sou mais, não compreendo quem eu sou
Sinto-me mutilado, fui triturado dentro desse ser
Meus desejos resumem-se em falsidade
Já não sei o que me agrada, apenas o que me consome
Fui roubado, toda minha essência foi roubada
Vida? Já não entendo, talvez não seja nada além de uma palavra
Meu corpo, está por fora de seus limites
Minha vista, ela não possui a mesma qualidade de antes
Cansado, estou cansado, farto de tudo isso, tudo
Não me restou nada, não sinto nada além
Não reconheço o que seja talvez o amor
Tento fazer o que for de tamanha semelhança
Já não consigo expressar tanta dor
Suportar tudo isso, eu... eu...
Já não consigo, não consigo
Publicamente já desisti, oh Senhor
Que ontem te clamei por meio de nosso intimo
Qual me acordou para isso, me tiraste do poço
Já estava entregue ao mal, minha vida estava acabada
Por que Senhor, por que isso ocorre comigo
Meus sonhos, minha vida, meus sentimentos
Está sumindo Senhor, tudo isso em mim
Tudo sumindo, estou vazio, sem forma
Deus, usando o ontem
Eu estava lá, no fim de minha vida
Eu desisti, não havia esperança
Pai, fala comigo
Porque despertou em mim essa esperança
Porque acreditar em ti me trás tanta esperança
Não, eu não consigo desistir
Não consigo, não consigo
Acredito tanto em ti Senhor, O senhor me mostrou
O poder que o Senhor tem
O senhor mudou-me, noite para o dia
Não suporto mais isso
Eu quero, quero desistir, mas o Senhor não me deixa
Porque me acendeu essa esperança
O tempo não passa Senhor
As noites, há noites que me sinto com medo
Os dias são lentos, eternas são as horas
E não sei o que fazer, em mim circula pensamentos
Esses pensamentos, idéias na minha cabeça
Coisas ao acaso, o que são?
Tudo se encontra encaixando agora
Não encontro mais forças, se deito, durmo profundamente
Como um morto, eu me sinto
Não encontro satisfação nessa vida, tudo passa
Não possuo vida, mostra-me a vida Pai
Isso me manteve vivo, tu sabes de meus momentos
Tentação que quase se cumpriu, o senhor não me deixou concluir
O senhor me conhece tão bem, muito além que me conheço
Nada sei diante de ti, não quero nada
Nada além de um pouco, pouco de sorriso
Mesmo que seja a curto período, me deixa experimentar disso
Quero sentir, como, como deveria ser
Faça-me sentir verdadeiro e não momentaneamente

Não quero ser reconhecido, apenas quero estar bem, o que não me sinto!


0 comentários: