domingo, 27 de setembro de 2009

Que pensar?

domingo, 27 de setembro de 2009


Tanta confusão, tanta pergunta, tanta dúvida… O que fazer? O que pensar? Sinceramente, cada vez sei menos, aprendo, mas aprendo dos dois lados, lados esses opostos, o que torna tudo vasto, vazio. Já não sei sobre que falar, ando tão confuso comigo mesmo, com os assuntos à minha volta e pior, com as decisões que me aparecem pela frente. Talvez agora eu viva a vida a ver os lados positivos que a minha proporciona, o que ajuda em alguns aspectos. Quem sabe se algo não poderá vir a mudar (Eu a dizer isto?? Lol). Se formos a ver, tudo na vida tem o seu lado positivo, quiçá a morte também não tem o seu? Aquelas coisas que menos gostámos têm que ter um lado positivo, acho, tal como que não há nada melhor que a dor para aliviar outra dor. Há muitos exemplos assim, penso que cada coisa vai aparecendo a seu tempo e acabámos por lhes dar razão.
Enfim, hoje não tenho muito para falar, estou sem assunto. Ahh, soube bem o feriado, apesar de não ter feito nada excepto apanhar seca. Ainda para mais, ontem que foi halloween, nem sequer saí!! Para variar também… Bem, a ver se algo acontece para ter assunto para falar, ou, apenas, para ser diferente…


0 comentários

Querer algo mais . . .




Por vezes, sinto ou desejo aquilo que não tenho ou simplesmente que nunca tive. Acaba por acontecer com todos nós, penso. Mas saberemos nós o que realmente queremos? Pois quando temos isso, queremos já outra coisa, queremos mais. Nunca estámos satisfeitos com o que temos, mas, a verdade, é que se tivermos algo/alguém que realmente gostámos não queremos outra coisa. Gostava de assim ser, ou melhor, ter algo pela qual eu faria cada dia para passar mais tempo. Talvez, para que isso acontecesse, seria preciso que eu fosse também desejado, me sentisse fazendo parte de alguém. O mal, é que vejo outros a “deitarem fora” o que uns querem, ou seja, vejo uns a “desperdiçar” raparigas para que estas não os chateiem, enquanto outros, fazendo acontecer ou simplesmente deixando as coisas acontecer, tiveram a infelicidade de nada ter acontecido e não aproveitarem a vida tal como queriam. O que está mal? O que mudar? Gosaria de saber, estou disposto a fazê-lo para que um pouco da minha vida mude, é tudo muito repetitivo. Estranho? Talvez… Apenas fico na mesma ou simplesmente mais convencido quando me dão conselhos aos quais já sei a conclusão tão facilmente, pois é sinal que realmente não me entendem, pensam ter passo pelo mesmo, mas cada um passa pelas coisas à sua maneira, sendo estas iguais ou não à dos outros.
Apercebi-me de um erro meu feito no meu último post. Acho que me baseei muito em Fernando Pessoa, pois como estou a dar isso em português assemelhei as coisas, pois concordo com certas coisas, mas o problema está em não ter sido eu a arranjar o raciocínio e sim usar um outro já existente. Vindo de mim, prefiro ser eu a escrever, sem nada ver, apenas escrever o que sinto no momento da escrita. Referente ao resto do post actual, espero que a minha vida mude pelo que já perdi a esperança, pois gostaria de conhecer gente nova, faria-me bem…


0 comentários

Oposição do pensamento . . .





Sem muito a acrescentar, noto que eu próprio me questiono acerca de tudo, mas porque tenho eu que duvidar e não apenas a limitar-me a viver tudo tal e qual como é sem questionar? O que realmente acontece, é que pessoas me ajudam e que eu agradeço mesmo embora, mesmo assim, sinto que algo me está a faltar. Sei que, por estas terras a fora, não sou o único com problemas e muitos que estão verdadeiramente mal, nem sequer chamariam problema ao que eu estou a passar, embora eu ainda me queixe. Existe mesmo coisas inexplicáveis ou é tudo apenas da minha cabeça? Eu nunca gostei de ler, é mesmo das coisas que menos gosto na vida, logo não entendo porque ando aqui a escrever, porque escrevo. Será que enquanto escrevo é como se tivesse a desabafar com alguém? Pois visto a partir do momento que venho para casa deixo de ter amigos, apenas vivo eu no mundo que me rodeia, mundo esse a que muitos chamam de quarto. Será que há mais pessoas na mesma situação que eu ou sou eu que estou num canto à parte? E se houver, o que as leva a viver assim? Gostaria de saber, não só pelos outros, mas assim talvez consiga entender-me a mim próprio através das razões dos outros, podendo estas ser diferentes. É que já que a partir de mim não obtenho resposta, procurarei de outra forma, ou simplesmente farei mais uma pergunta: há resposta para tudo isto?


0 comentários

Que maneira pensar?




O pensamento será uma confusão, indecisão ou apenas mais uma dúvida? Pois é, a verdade é que não sei a resposta tendo esta a haver com algo… Confuso! Bem, mas a minha dúvida é de que forma pensar. Passarei a explicar: por um lado, diz-se (e eu também concordo) que se deve aproveitar a vida ao máximo, fazendo de cada dia o último. Mas ao fazermos isto estámos a pensar no futuro? Talvez, de um certo modo. Então o maior sofrimento vem de onde? Vem de todo o prazer que nós decidimos aproveitar no passado, estarei correcto? Portanto, mais vale não aproveitar tudo ao máximo para um dia mais tarde não sofrermos tanto, ou, simplesmente, não sofrermos! É tal como o amor, por exemplo, se nós aproveitarmos ao máximo tudo o que ele tem para dar, um dia, quando acabar a relação existente desse amor, sofreremos muito mais do que se não tivessemos feito muita coisa que fizemos. Ou seja, no fundo temos que abdicar do muito bom para no futuro termos o bom, ou apenas abdicar de certas coisas que namorados fazem frequentemente, assim, certamente, quando tudo isso acabar se não o fizermos no presente, no futuro sofreremos menos com esse fim. Se calhar, devemos é viver cada dia normalmente, sem cometer exageros, viver calmamente, deixando as coisas acontecerem naturalmente. Basta aceitar o destino tal e qual como é sem questionar porque assim acontece (esta do destino nem eu entendo muito bem, pois não sei se este já está traçado, se somos nós que o traçamos ou apenas que nao existe!). A verdade é que o destino de todos nós é a morte e devemos aceitar isso, não temos escolha, mas antes desse dito “fim”, há muito para fazer, para viver. E eu espero, sinceramente, conseguir aproveitar seja de que forma for a vida que me resta, de preferência que não seja sozinho, e que de mim até essa pessoa, exista um certo sentimento, entre ambos…


0 comentários

Aproveitar a vida? Você realmente aproveita a sua?




Você aproveita a vida? É muito comum ouvir as pessoas, e principalmente os jovens, dizendo que querem aproveitar a vida. E isso geralmente é usado como desculpa para eximir-se de assumir responsabilidades. Mas, afinal de contas, o que é aproveitar a vida? Para uns é matar-se aos poucos com as comilanças, bebidas alcoólicas, fumo e outras drogas. Para outros é arriscar a vida em esportes perigosos, noitadas de orgias, consumir-se nos prazeres carnais. Talvez isso se dê porque muitos de nós não sabemos porque estamos na Terra. E por essa razão desperdiçamos a vida em vez de aproveitá-la. Certo dia, um jovem que trabalhava em uma repartição pública na companhia de outros colegas que costumavam reunir-se todos os finais de expediente para beber e fumar à vontade, foi convidado a acompanhá-los. Ele agradeceu e disse que não bebia e que também não lhe agradava a fumaça do cigarro. Os demais riram dele e lhe perguntaram, com ironia, se a religião não lhe permitia, ao que ele respondeu: “a minha inteligência é que me impede de fazer isso". E que inteligência é essa que não lhe permite aproveitar a vida? Perguntaram os colegas. O rapaz respondeu com serenidade: "e vocês acham que eu gastaria o dinheiro que ganho para me envenenar? Vocês se consideram muito espertos, mas estão pagando para estragar a própria saúde e encurtar a vida, que para mim é preciosa demais. Observando as coisas sob esse ponto de vista, poderemos considerar que aproveitar a vida é dar-lhe o devido valor. É investir os minutos preciosos que Deus nos concede em atividades úteis e engrandecedoras. Quando dedicamos as nossas horas na convivência salutar com os familiares, estamos bem aproveitando a vida. Quando fazemos exercícios, nos distraímos no lazer, na descontração saudável, estamos dando valor à vida. Quando estudamos, trabalhamos, passeamos, sem nos intoxicar com drogas e excessos de toda ordem, estamos aproveitando de forma inteligente as nossas existências. Quando realmente gostamos de alguma coisa, fazemos esforços para preservá-la. Assim também é com relação à vida. E não nos iludamos de que a estaremos aproveitando acabando com ela. Se você é partidário dessa idéia, vale a pena repensar com seriedade em que consiste o aproveitamento da vida. E se você acha que os vícios lhe pouparão a existência, visite alguém que está se despedindo dela graças a um câncer de pulmão, provocado pelo cigarro. Converse com quem entrega as forças físicas a uma cirrose hepática causada pelos alcoólicos. Ouça um guloso inveterado que se encontra no cárcere da dor por causa dos exageros na alimentação. Visite um infeliz que perdeu a liberdade e a saúde para as drogas que lhe consomem lentamente. Observando a vida através desse prisma, talvez você mude o seu conceito sobre "aproveitar a vida".
A vida é um poema de beleza cujos versos são constituídos de propostas de luz escritas na partitura da natureza, que lhe exalta a presença em toda parte. Por conseqüência, a oportunidade da existência física constitui um quadro à parte de encantamento e conquistas, mediante cuja aprendizagem o espírito se embeleza e alcança os altos planos da realidade feliz.


0 comentários

Decepção!




É incrível a capacidade das pessoas de nos decepcionar, mas incrível ainda a delas de se desculpar com coisas simples, como estou necessitado, ou até mesmo passando necessidade, não justifica o fato de estar fazendo tal coisa, tal ato que um dia tentei tira-la de lá, apenas esta entregue ao inimigo, se entregando de volta a seu anterior mundo e pecados, não suporto, não sei de onde pedir forças, estou muito mal, muito triste, muito decepcionado, angustiado, desanimado, estou vegetando aqui, minha moral se resumiu a um mero grão de arroz, hoje estou sem saída, de fato acho que esse é o fim, não sou a pessoa que crê e deus, mas que as outras neste mundo, ou que tenho uma fé efervescente ou coisa do tipo, mas simplesmente, meu coração não agüenta, mas, me sinto tão machucado, tão horrível, tão culpado, por, mas que ela esteja errada mesmo assim me sinto na culpa de tudo, me sinto desamparado, quero alguém pra me consolar, um colo amigo, um lugar pra descansar, para desabafar. Bem, não agüento, mas sofrer, e agora o que faço? Falei para ela que a abandonaria se ela cometesse o mesmo erro novamente, e ela o fez conscientemente esta noite, sinceramente mesmo não crendo nele o bastante, entrego tudo nas mãos de deus, meus ombros já estão sobrecarregados de tantos problemas alheios, essa foi a ultima vez que me matei para ajudar alguém, que literalmente esqueci de mim para colocar alguém em prioridade! Me estresso com isso!



Porra! Realmente mereço isso caralho? Podia ter pelo menos consideração da sua parte!


Na verdade, quero mas que você se FODA hoje!


Te amei, tentei te ajudar e você brincou comigo!





De coração “VÁ TOMAR BEM NO OLHO DO SEU CÚ”.








0 comentários